domingo, 27 de outubro de 2013

Quadriga





Ante o tropel insano minha razão rasteja

a fome e o espírito em marcha desigual
na vereda nebulosa o homem, o animal
num dilema letal enquanto um deus boceja.

São dois corcéis, dois sentidos distintos

um ruma ao zênite o outro ao perecer
ambos habitando os abismos do ser
estranhos e iguais, sedentos e famintos.

É lento o cavalgar e infinita a estrada

a quadriga da alma é nau desgovernada
o sonho de voar no rés do chão, desfeito.

sombras diuturnas acolhem-nos no leito

árido e vazio e frio e límpido e perfeito.
Não há celebração ao fim dessa jornada.



Oz
26 de outubro de 2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário